top of page
  • Foto do escritorRedação

UEPG premia melhores trabalhos em evento de iniciação científica

Dos 522 trabalhos inscritos no evento, 20 foram premiados na tarde da última quarta-feira (30)

Premiações acontecerão na última quarta-feira (30), na UEPG. Foto: Luciane Navarro


A premiação dos melhores trabalhos de iniciação científica marcou o encerramento do 31º Encontro Anual de Iniciação Científica (Eaic) e Encontro de Iniciação Científica Júnior (Eaic-JR), eventos que reúnem a produção científica dos alunos da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Dos 522 trabalhos inscritos no evento, 20 foram premiados na tarde da última quarta-feira (30).


Durante os dois dias de Eaic, foram apresentados mais de 500 trabalhos nas grandes áreas de conhecimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq): Ciências Agrárias; Ciências Biológicas; Ciências da Saúde; Ciências Exatas e da Terra; Ciências Humanas; Ciências Sociais Aplicadas; Engenharias; e Linguística, Letras e Artes. Segundo a professora Andressa Novatski, diretora de pesquisa da Propesp e uma das responsáveis pela organização do Eaic em 2022, mais de 800 pessoas estiveram envolvidas nos dois eventos.


Para a professora Andressa, o balanço final do evento é positivo. “Nós tivemos bastante interação, muito trabalho e bastante procura dos ouvintes”, avalia. “O que ouvimos nos corredores até agora é muito positivo, elogiando a organização, a disponibilidade de salas e outras questões”.


O professor Ivo Mottim Demiate, vice-reitor da UEPG, é um velho conhecido do Eaic. Na primeira edição do Encontro, ele participou como aluno de iniciação científica, enquanto acadêmico de Agronomia. Para ele, o evento é uma oportunidade para que os alunos façam pesquisas, experiência que será agregada a seus currículos. “É um diferencial muito grande para os alunos, assim como outras atividades desenvolvidas na Universidade, como extensão e monitoria”, assinala. “Na pesquisa, há oportunidades de crescimento profissional e de dar sequência à vida acadêmica”.


A organização do evento comemora a quantidade de trabalhos inscritos nessa edição do Eaic, reflexo de uma política de incentivo à pesquisa na Instituição. “O número de bolsas e o número de alunos participantes da Iniciação Científica têm aumentado e isso traz para nós uma alegria, mostrando que o programa tem se consolidado e cada vez mais atrai os estudantes”, comemora Demiate. O professor avalia que a experiência de fazer iniciação científica transformou sua trajetória pessoal. “Temos que acreditar na pesquisa. O País precisa muito de nós, dos pesquisadores, dos professores, da ciência como um todo”.


Premiados

Realizar pesquisa é algo desafiador. Em tempos de pandemia, mais ainda. Rafael Fernando de Oliveira Juncos recebeu o primeiro lugar pela pesquisa 'Eficiência de sistemas de proteção superficial de concretos frente ao ataque externo por Sulfato de Sódio', orientada pelo professor Eduardo Pereira. Mesmo com a dificuldade de acessar os laboratórios e de realizar os ensaios da pesquisa, uma força-tarefa permitiu finalizar o projeto. “Ter o reconhecimento formal, por meio do prêmio, é uma alavanca para continuar”, diz.


Na área de Linguística, Letras e Artes, Dayana Rafaela Antunes recebeu o primeiro lugar, orientada pela professora Rosangela Schardong, com um trabalho que abordou as novas masculinidades no filme argentino 'El Hijo de la Novia'. “Acho que a maior dificuldades da pesquisa em si foi a escrita acadêmica, além de tentar conectar a teoria com a análise. Foi um processo lento e gradual, e a orientadora me ajudou muito”, conta. A pesquisa resultou também em uma monografia, com capítulos teóricos e analíticos. A sensação de receber o prêmio, para ela, é indescritível. “É o resultado da dedicação, dessa tentativa de fazer algo bem feito, desse esforço. É minha primeira pesquisa. Então, estou muito feliz, muito feliz mesmo”.


Os três prêmios de Ciências Biológicas foram para as amigas Vitória Bonfim Iurk (orientanda do professor Marcos Pileggi), Lívia Mendes Zacharow Pedroso (orientanda da professora Iriane Eger) e Giovana Sequinel Correa (orientanda do professor Marcos Pileggi). A alegria se tornou ainda maior por ser compartilhada. “A gente fica feliz por nós, mas acaba ficando muito mais feliz pelo outro”, diz Pedroso. O esforço durante o processo de pesquisa, tentativas e erros, frustrações, a escrita do relatório. Cada etapa foi compartilhada. “A gente sabe como não foi tão fácil. Alguém que a gente vê que se esforçou tanto acaba sendo reconhecido”, celebra a acadêmica.


“Um dos pontos principais é tentar aproximar a ciência que é feita no meio acadêmico da sociedade, porque os resultados que a gente obtém são justamente para melhorar de alguma forma a sociedade em que a gente vive”, destaca Iurk, cuja pesquisa recebeu o primeiro lugar. O trabalho da aluna foi relacionado ao microbioma de tartarugas marinhas. “São, basicamente, as comunidades de bactérias que existem no intestino delas”, explica. “São animais que vêm sendo prejudicados pelas pressões antrópicas e pelo crescimento urbano, e que têm desenvolvido muitas doenças por causa desse crescimento urbano exacerbado”.


Também são bactérias os objetos de estudo de Giovana (3º lugar), mas com outra aplicação totalmente diferente: a avaliação dos probióticos na resposta imunológica a síndromes respiratórias agudas, como a Sars-CoV-2, causada pelo novo coronavírus. Lívia, por sua vez, pesquisou uma espécie de barbeiro encontrada na região dos Campos Gerais e identificou a presença do parasita Trypanosoma cruzi, causador da doença de Chagas.


“Ter mulheres em espaços de liderança faz com que o ambiente mude para as outras mulheres”, enfatiza Pedroso. Fazendo ciência e sendo reconhecidas por seus trabalhos, as cientistas geram incentivo para que outras mulheres se destaquem em ambientes considerados masculinos. Para quem pensa em conhecer o mundo da ciência e começar um trabalho de iniciação científica, as pesquisadoras têm um recado: “Não vai ser fácil, não. Mas vale a pena. Não desistam, porque a ciência realmente é um dos fatores mais importantes para a nossa sociedade”.


Os resultados na íntegra estão disponíveis clicando aqui.


Da Assessoria

Comments


bottom of page