• Redação

Doutores Palhaços iniciam trabalhos com servidores e pacientes do HU-UEPG

A conversa proporcionou interação das equipes com os artistas, que passarão a fazer intervenções semanais no Hospital

Doutores Palhaços iniciam trabalhos com servidores e pacientes do HU-UEPG. Foto: Jéssica Natal



O atendimento humanizado do Hospital da Universidade Estadual de Ponta Grossa (HU-UEPG) ganhou mais um aliado. Nesta segunda e terça-feira (27 e 28), a instituição iniciou parceria com a organização não governamental Doutores Palhaços SOS Alegria. O trabalho com profissionais e pacientes, que já existe no Hospital Materno-Infantil da UEPG (Humai), agora passa a acontecer também no prédio do HU. A conversa proporcionou interação das equipes com os artistas, que passarão a fazer intervenções semanais no Hospital.


Rir é o melhor remédio? Para Micheli Vaz, doutora palhaça, ele cura o medo. “A criança, quando está no hospital, tem medo da dor, da injeção e de tudo que pode acontecer neste ambiente”. Com adultos, a história muda, segundo ela. “Ele não tem medo de sentir a dor, mas o medo dele é da brevidade da vida. Ele sabe que a doença é uma coisa que acomete a nossa vida e nos agride psicologicamente”, explica a artista sobre a diferença das abordagens entre pacientes crianças e adultos.


A palestra ocorrida no auditório do HU garantiu o riso dos profissionais e também trouxe o histórico da intervenção da palhaçaria em ambiente hospitalar. “Quando a gente chegou pra palestra foi legal, as pessoas já estavam esperando, então é muito legal e gratificante pra gente. A gente sabe que o HU tem um fluxo muito grande de pessoas e que é referência para a região, então nada mais justo do que trazer um pouco de leveza e alegria para todo mundo que tá aqui”, salienta Micheli. O doutor palhaço, Bruno Madalozo, adiciona que a troca com funcionários também é importante. “Quando eles veem que o palhaço está aqui dentro, proporciona uma alívio para eles, então estamos bem empolgados em animados em iniciar os trabalhos aqui”.


“Quando a gente fala de palhaços, logo associamos ao público infantil, até por isso que começamos os trabalho primeiramente lá no Humai, mas agora trouxemos para cá”, explica a psicóloga Tatiana Martins. A parceria está atrelada ao serviço técnico assistencial do HU, que trabalha para levar um atendimento humanizado aos pacientes. “O Hospital é um ambiente que às vezes tem momentos difíceis e tristes. E tirar, nem que seja por alguns minutos, isso das pessoas, tanto pacientes quanto os profissionais, dá um respiro e é bom para todos nós”, completa Tatiana.


O diretor geral do Hospital Universitário, Sinvaldo Baglie, ressalta a importância de parcerias entre o HU com organizações e empresas. “Parcerias como a com o SOS Alegria proporcionam momentos de cura, tanto para os pacientes e acompanhantes, como também para equipes que trabalham incansavelmente no Hospital”. O diretor salienta que as intervenções ocorrerão com todos os cuidados exigidos em um ambiente hospitalar. “Este retorno de atividades mais lúdicas são muito importantes e, ao mesmo tempo, demonstram que a instituição está preocupada em fortalecer parcerias e proporcionar um atendimento humano e de qualidade, com um olhar sensível a todos”, finaliza.


Foto: Jéssica Natal

Da Assessoria