top of page
  • Foto do escritorRedação

Festa de 'Sant'Ana leva milhares de fiéis às ruas de Castro e PG

Evento religioso foi celebrado na região dos Campos Gerais na última quarta-feira (26)

Festa de 'Sant'Ana leva milhares de fiéis às ruas de Castro e Ponta Grossa. Foto: Divulgação

Exatamente às 9h da manhã do feriado municipal de quarta-feira (26), dia dedicado à Senhora Sant'Ana, o espocar de fogos anunciava que dezenas de barqueiros cruzavam a última curva do rio Iapó, alguns metros antes da ponte férrea, trazendo no barco/madrinha a imagem da padroeira de Castro. Este ano, coube a José Wilson Hanesh, a incumbência de escoltar a santa em seu barco.


O eletricista de automóveis, Edson Zargiski, de 63 anos, estava entre os barqueiros. "Há 20 anos participo da procissão de barcos. Fui convidado, na época, por Israel Babi (barqueiro já falecido). Numa dessas descidas, que reuniu mais de 60 barqueiros, eu tive o privilégio de descer o rio, trazendo Sant'Ana em minha embarcação. Uma emoção ímpar. É magnífico poder acompanhar a procissão pelo rio", contou emocionado.


Sob aplausos calorosos e gritos de ‘viva Sant'Ana’, a imagem foi colocada em um andor já no ancoradouro da Prainha e seguiu em procissão até a matriz, subindo pela rua Francisco Xavier da Silva. Uma missa presidida por padre Sandro José Brandt, pároco da matriz, e concelebrada por sacerdotes das quatro paróquias locais e diáconos, contou com ministros, coroinhas e acólitos e a comunidade em geral, que lotou a igreja.


Em sua homilia, padre Sandro Brandt convidou os fieis devotos a prestarem atenção na riqueza da Palavra do Evangelho do dia. "Precisamos voltar nosso olhar para as bênçãos e graças de Deus em nossa vida. O mundo de hoje destaca mais o negativo do que o positivo. Mais de 200 pessoas se apresentaram para trabalhar nos festejos de Sant'Ana como voluntários nas mais diversas funções. Se isto não é uma graça de Deus, se isto não é um milagre de partilha e comunhão, eu não sei onde vamos encontrar o olhar de Deus", sublinhou.


Morador de Ponta Grossa, que também celebra Sant'Ana, Alfredo Mourão fez questão de participar da festa em Castro. "A cidade me remete a memórias afetivas. Este diferencial, que mistura o religioso com a parte cultural, é que me trouxe a esta cidade, para festejar e rezar com Sant'Ana. Vi aqui o sentimento de fé", disse. Mourão, hoje aposentado, nas décadas de 80 e 90 teve destacada atuação no setor cultural de Ponta Grossa.


Avaliação

Terminada a celebração da centésima festa em louvor a padroeira de Castro, padre Sandro fez uma ava lição positiva de toda a festividade. “Todo o novenário foi bem participativo. O principal da festa é dar oportunidade para o povo rezar. O grande legado da centésima festa foi a participação familiar. Já em relação à arrecadação da festa, vamos investir na restauração do salão paroquial, na manutenção da igreja e, sobretudo, na formação de nossos leigos", acentuou.


Já para o diácono Adenilson Carneiro, que atua na Paróquia Sant'Ana, foi uma experiência rica. “Nestes dias de novenas, missas e festividades paralelas pudemos viver intensamente a nossa fé. Muitas graças aconteceram na vida das pessoas. Para nós, como ministros ordenados, fomos ricamente recompensados pela participação da comunidade", avaliou.


Da Assessoria

Comments


bottom of page