• Redação

Futebol, férias, músicas

Confira a Crônica da semana da Academia de Letras dos Campos Gerais: "Futebo, férias, músicas"

Futebol. Sete anos. Decisão entre Operário e Coritiba. Estádio abarrotado. Cigarro aceso no braço e choro de dor. O pai sócio, após um jogo, quis acertar soco no juiz ladrão na hora de embarcar no ônibus.


Mais tarde, pai ex-sócio, assistir agora só passando com um adulto ou esperar a liberação no intervalo. Bonito em campo a mistura do preto e branco do “graxeiro” e o preto e vermelho do “pó de arroz”. Clássico Ope-Guá no Paula Xavier. Bandeiras rubro-negras tremulando na torcida da casa. Paixão instantânea. Depois o coração ficou tripartite, dois terços em preto e vermelho.


Copa de 70. No auditório da Jota-2, Tv colorida para ver o Brasil. A cada gol canarinho, uma explosão de gritos. Os 4X1 na Itália foi na casa de um colega da 4ª série do Regente. Quando acabou, o pai dele nos aboletou na Kombi e fomos para a rua. Descemos a Balduíno Taques viramos na Avenida. Noventa milhões em ação, pra frente Brasil, no meu coração...


Dezesseis anos. Cortei torinhas de lenha, ajudava um sujeito a fazer carretos num velho Chevrolet e vendi laranja na rua. Saía de São José com uma gaiota (caixote de madeira sobre duas rodas revestidas com tiras de borracha). Fiz freguesia na Vila Liane e Vila Estrela.


Gritos na rua, palmas nas casas conhecidas. Com o dinheiro paguei inscrição e comprei passagens para ir a Curitiba prestar concurso para a Aeronáutica. Fui estudar fora.


Férias de duas semanas em julho, dois meses e meio na virada do ano. Toda tardinha ia ao centro. Às vezes, filme no Império. No domingo, programação melhor no Ópera ou no Inajá. Ao lado do Império marcava ponto para tomar uma Cuba Libre.


Para subir na vida, férias e curso de datilografia duas vezes por semana. O tec-tec das máquinas de escrever e no rádio o desfile das mais pedidas. No topo “Eu disse adeus”, do Roberto e “For once in my life”. Quase meia-noite, último ônibus para a Palmeirinha. No ponto final, ruas escuras, subir uma ladeira de pedras traiçoeiras e atravessar campo no Nossa Senhora das Graças.


Ponta Grossa triplicou a população. Tem shopping, beleza na Catedral, arranha-céus, o Fantasma faz propaganda e orgulha a cidade. Os mistérios de Vila Velha são revelados de modo diferente; a Furna só de cima. Tomara que a Lagoa ainda seja dourada ao entardecer.


Princesa dos campos ou rainha? Filho da segunda, amante da primeira, sonho com grande festa de 200 velinhas. E canto com Timóteo: Se algum dia à minha terra eu voltar, quero encontrar as mesmas coisas que deixei...


Texto de autoria de Wilson Czerski, militar da Aeronáutica e jornalista aposentado, residente em Curitiba, escrito no âmbito do projeto Crônicas dos Campos Gerais