top of page
  • Foto do escritorRedação

Alunos de LACs apresentam trabalhos no Congresso de Educação

Os alunos da rede pública municipal de ensino estão apresentando seus estudos para a cidade no ‘Pavilhão Sinapses Criativas’

Um dos trabalhos expostos é uma maquete de Ponta Grossa feita por alunos da Escola Prefeito Ernesto Guimarães Vilela - Foto: Divulgação/PMPG

Ao longo deste X Congresso de Educação: equidade, inovação e protagonismo infantil, os alunos da rede pública municipal de ensino estão apresentando seus estudos para a cidade, dentro do ‘Pavilhão Sinapses Criativas’, no Parque Ambiental.


Entre os estandes, um dos destaques está nos trabalhos dos Laboratórios de Aprendizagem Criativa (LAC), já instalados em 15 escolas - serão 50 até 2024, proposta da Secretaria Municipal de Educação em consonância com o programa Vale dos Trilhos. Todos os dias, as escolas participantes fazem um rodízio para mostrar ao público a criação e os resultados dos estudos dos alunos, que envolvem a robótica educacional, uso do arduíno, atividades maker, dentro do conceito de aprendizagem criativa.


Tem o estádio Germano Kruger com iluminação abastecida com energia eólica, sistema de iluminação de pontos de acampamento com energia solar, uso sustentável da água, sistema automático de abertura e fechamento de cancelas para a passagem de veículos em linhas férreas, reciclagem de material escolar, entre outros projetos.


Entre as participantes está a Escola Municipal Prefeito Ernesto Guimarães Vilela, levou ao X Congresso uma maquete representando Ponta Grossa, os principais pontos de referência de cada bairro, selecionados pelos alunos, e uma representação do sistema de iluminação pública da cidade, que teve no patrono da escola um grande incentivador. Os alunos Davi de Souza Batistel, Gabriely Vitória Inoque e Maria Luiza Franco Hass, do 4º ano, fizeram parte do grupo que representou a escola.


“O LAC é um projeto para nós aprendermos mais, por exemplo, sobre energia. E eu acho muito legal porque eu descobri muitas coisas e que sou capaz de fazer muitos projetos, por isso que fui escolhida para fazer isso hoje, estou muito feliz”, disse Maria Luiza.


A professora Eliane Pereira conta que o trabalho começou com a formação dos professores. “No ano de 2021 fomos convidadas a participar da primeira turma do LAC. Estamos iniciando um trabalho no qual a gente acredita muito. Queremos levar para as crianças muita inovação em sala de aula, transformando tudo isso num protagonismo infantil, no qual vamos certamente colher ótimos frutos no futuro. É um trabalho em que a gente sente que a criança está interessada e quer aprender cada vez mais. O trabalho flui de uma forma muito gostosa”, relata a ‘profe do LAC’.


Da Assessoria

Comments


bottom of page