• Redação

Alunos da Apae de PG retornam para as aulas presenciais

Desde o início da pandemia a instituição mantinha somente o ensino em formato remoto e atendimento técnico presencial ou domiciliar

A instituição atende 350 alunos que retornarão ao sistema presencial em etapas e de forma híbrida. Foto: APAE PG

Depois de quase um ano e meio apenas com atividades remotas por causa da pandemia do coronavírus, os alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Ponta Grossa voltaram às aulas presenciais na última segunda-feira (23).


Desde o início da pandemia a instituição mantinha somente o ensino em formato remoto e atendimento técnico presencial ou domiciliar, com fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeuta ocupacional, psicólogo e assistente social, buscando amenizar o quadro instalado pelo coronavírus.


Ao todo, a instituição atende 350 alunos que retornarão ao sistema presencial em etapas e de forma híbrida. Nesta primeira fase retornam apenas os estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) do 2° Ciclo – acima de 16 anos, e alunos do ensino fundamental, totalizando 161 estudantes. Na sequência, voltarão gradativamente os alunos menores, do 1° Ciclo e da Educação Infantil.


Josneide Panazzolo, diretora da Apae de Ponta Grossa, explica que, seguindo as orientações da Federação das Apaes do Paraná, por enquanto as aulas seguem em formato híbrido, com aulas presenciais e remotas, para que não haja aglomeração de pessoas.


O retorno às salas é opcional para os alunos, ou seja, os pais que preferirem podem continuar apenas com o ensino remoto. Panazzolo explica que muitos tutores ainda estão inseguros para enviar os filhos, já que por conta da faixa etária os pequenos ainda não foram imunizados contra a Covid-19.


No ensino remoto, as aulas são transmitidas pelo aplicativo WhatsApp para facilitar o acesso de pais que não têm computador em casa. Os materiais e exercícios também são enviados pelo app, além de serem enviados até a residência dos alunos de 15 em 15 dias, exceto nos casos em que os pais optam por ir até a instituição fazer a retirada.


Por Dani Ribeiro (D'PontaNews)