• Redação

Agência do Trabalhador da Cultura já fez 6,8 mil atendimentos

A ATC tem desenvolvido eventos e mutirões de empregabilidade segmentados, possibilitando que agentes culturais e trabalhadoras e trabalhadores da cultura tenham mais uma alternativa na busca por uma vaga

Em seis meses de operação, Agência do Trabalhador da Cultura amplia presença. Foto: Kraw Penas/SECC

Criada em novembro de 2021, a Agência do Trabalhador da Cultura (ATC), posto avançado da Agência do Trabalhador, iniciativa inédita do Governo do Paraná, tem registrado crescimento exponencial de atendimentos: entre abril e junho, 3.160 trabalhadores e trabalhadoras foram atendidos por um dos canais da agência.


Em conjunto com a Agência do Trabalhador de Curitiba, a ATC tem desenvolvido eventos e mutirões de empregabilidade segmentados, possibilitando que agentes culturais e trabalhadoras e trabalhadores da cultura tenham mais uma alternativa na busca por uma vaga. Nos últimos eventos, 2.051 vagas foram disponibilizadas e 3.527 atendimentos realizados. Desses, foram feitos 970 encaminhamentos.


A ATC atingiu desde a sua abertura um total de 6.855 atendimentos por meio de todas as ações. Do lado dos empregadores, 2.326 vagas foram ofertadas via agência. "É uma iniciativa simbólica dessa gestão e que fica de forma perene para o Estado. A Agência do Trabalhador de Curitiba é um marco para expandir as atividades culturais no Paraná", disse a superintendente-geral de Cultura, Luciana Casagrande Pereira.


“A Agência do Trabalhador da Cultura tem se mantido cada vez mais próxima dos empresários e oferecido seu portfólio de serviços, a exemplo do Cartão Futuro, no qual a empresa participante recebe subsídios de R$ 450 mensais do programa para contratação de estudantes em situação de vulnerabilidade”, completa Raphael Dotto, gestor da Agência.


Perfil

Além de uma ferramenta eficaz de empregabilidade no período pós-pandemia, o posto avançado da cultura tem criado uma importante base de dados para a economia criativa local. De todos os perfis da base, 70,6% das pessoas possuem ao menos o ensino superior (entre incompletos), 46,2% têm o superior completo; 24,4% declaram superior incompleto; 2,5% ensino fundamental; 18% possuem ensino médio e 5% educação técnica. Quanto ao sexo, 53,9% são mulheres e 46,1%, homens. “São dados importantes para que possamos estabelecer novas iniciativas de qualificação, o que também faz parte da missão da ATC”, afirma Dotto.


Atualmente, a agência possui em sua base perfis que atendem a todas as necessidades da indústria do entretenimento, do audiovisual e do teatro. O empresário conta com um suporte amplo com toda agilidade necessária para atender totalmente um evento.


No próximo semestre os esforços da ATC serão ampliados para a oferta de vagas. A novidade é que produtores e realizadores de eventos em geral e outros empresários do setor cultural terão um atendimento personalizado para que a agência opere na facilitação do processo de intermediação de mão de obra de todos os fornecedores envolvidos. A ideia é que agentes da ATC façam visitas aos empregadores num trabalho de esclarecimento para oferecer ainda mais agilidade no processo de contratação de profissionais que atuam no segmento.


Portanto, desde montadores, staff de segurança, recepcionistas, garçons, limpeza, técnicos de som e luz, operadores e artistas em geral são exemplos dos mais diversificados perfis que o empregador encontra na base da agência. Estão em crescimento o cadastramento de perfis de trabalhadores e trabalhadoras das áreas de marketing, tecnologia e design. Paralelamente, as empresas têm ofertado estas oportunidades com frequência por meio de nossos canais”, afirma Dotto.


Por AEN