• Redação

Teatro gratuito encanta crianças e adultos em Ponta Grossa

Últimas apresentações do II Festival de Teatro Prosiá movimentaram a cidade

Encerramento do Festival de Teatro Prosiá ocorreu no Pub Espeto D'Ponta. Foto: Divulgação

Chegou ao fim a segunda edição do Festival de Teatro Prosiá, realizado pelo Coletivo Cacareco em Ponta Grossa. Neste sábado, 30 de julho, o público pode assistir a três espetáculos, todos com entrada gratuita. O festival tem o incentivo do PROMIFIC e patrocínio do Sicredi.

Às 16h, a peça foi para as crianças. ‘O Cubo Mágico’, da Cia Lev-Arte, fez sua estreia no Auditório do Campus Central da UEPG. Com roteiro de Leandro Wenglarek e direção de Michella França, o espetáculo de teatro musical apresentou quatro personagens, que têm a missão de espalhar música e alegria em lugares conforme determina o cubo mágico. Cada personagem representou um símbolo sonoro: o som, o ritmo, a harmonia e a melodia. No decorrer da narrativa, cada personagem mostrou sua personalidade e contou histórias através da música. De forma colorida e poética, o espetáculo teve o objetivo de envolver as crianças e os jovens no universo do teatral musical, mostrando a beleza e a importância da música, além de ter como base a amizade. No elenco estavam Alfredo Netto, Amanda Nass, Leandro Wenglarek e Mariele Zanin.

Na sequência, às 19h, também no Auditório do Campus Central da UEPG, o público pode assistir novamente à peça ‘A Borboleta da Colina’, que em 2021 recebeu o prêmio de Melhor Espetáculo da Mostra Principal do 49º Fenata. O enredo, criado por Renan Sota, falou sobre transformação, de forma poética e envolvente. À espera de convidados para um jantar, um ser humano reflete sobre as possíveis transformações da vida e das coisas. Afinal, na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. A peça teve direção de Viviane Oliveira, iluminação de Bya Paixão e atuação de Renan Sota, Leila Freire, Nadhine Rios e Nivaldo Santana.

Fechando a agenda de espetáculos do II Festival de Teatro Prosiá, ‘Gato Boo’ estreia nos palcos às 21h, no Sesc Estação Saudade. Dizem que qualquer gato vira-lata tem uma vida mais alegrinha que a nossa. Será? Será que é só agito, gritarada e gemidão pelos telhados noturnos dos bichanos? Será que quando os gatos saem os ratos fazem a festa? Será que se a gente chegar no ouvido da gata e falar "miauu" a vida cotidiana por parte da ótica filosófica seria mais legalzona? Será que gato preto dá azar ou é preconceito de angorá branco? Será que a dona Chica ainda tá viva? E o véio Garfield? Essas e outras perguntas serão respondidas pelo Gato Boo no espetáculo de animação, que tem classificação para maiores de 18 anos. O texto, cenografia, adereços e performance são assinados por Carlos Alexandre de Andrade, enquanto a direção, técnica e produção são de Bya Paixão.

O encerramento do festival aconteceu no domingo, 31, a partir das 16h, no Pub Espeto de Ponta (Rua Dr. Colares, 222). A cerimônia festival teve a premiação da Mostra de Cenas Curtas, que foi avaliada pelos jurados Rafael Pedretti, Humberto Gomes e K’rol Oliveira. Também foi entregue o Prêmio Especial de Reconhecimento pela Trajetória Teatral, o qual estavam indicadas Michella França, Heloisa Frehse Pereira e Alisson Andrei. A honraria, em sua primeira edição, foi eleita entre todos os artistas participantes do festival. A banda Chave de Mandril encerrou a festa com muita música brasileira.

O projeto foi aprovado pelo Programa Municipal de Incentivo Fiscal à Cultura (Promific), da Prefeitura de Ponta Grossa, Secretaria Municipal de Cultura e Conselho Municipal de Política Cultural e conta com o patrocínio exclusivo do Sicredi, além do apoio da Fecomércio Sesc Paraná, Diretoria de Assuntos Culturais da UEPG, Fenata, CECI (Centro de Estudos Cênicos Integrado), Cia Artheiros e Estratégia Projetos Criativos. Mais informações sobre o festival estão disponíveis no Instagram e Facebook.


Da Assessoria