• Redação

Título inédito 'Fada Felicidade' chega às estantes do Pegaí

Autora Paula Furtado tem mais de 90 livros publicados e acumula parcerias de sucesso, entre elas, com Maurício de Souza

Título inédito “Fada Felicidade” chega às estantes do Pegaí. Foto: Peterson Strack


Literalmente um “conto de fada” chega às estantes do Instituto Pegaí Leitura Grátis. O livro 'Fada Felicidade', da escritora Paula Furtado, está disponível a partir deste mês para leitura. Uma história sensível, comovente e muito inspiradora, que carrega uma mensagem atual e reflexiva, pertinente para os nossos dias. Essa é a primeira edição do título, uma publicação da editora Oficina do Livro, feita exclusivamente para o Pegaí. Tanto editora quanto escritora cederam os direitos de impressão ao Instituto. Os seis mil exemplares serão disponibilizados em todas as estantes do Pegaí e também no projeto “Alimentando Mentes”.


A viabilização das impressões do livro foi patrocinada pelo Grupo Madero, PiSigma Soluções em Tecnologia e Tozetto Supermercados. Além disso, as empresas BO Paper Brasil Indústria de Papel e Papirus Indústria de Papel, doaram respectivamente o papel usado no miolo do livro e o papelcartão utilizado na capa dos exemplares. Também foram utilizados recursos provenientes do Programa Nota Paraná, por meio dos cupons fiscais doados por pessoas físicas para a campanha ‘Transforme seu cupom sem CPF em Leitura”.


Com ilustrações de Ana Carolina Tafarello Securato e Bruno Monteiro, “Fada Felicidade” se passa numa floresta encantada, habitada por uma legião de animais felizes e uma pequena fada. O local é repleto de sonhos e encanto e, como o próprio nome sugere, o papel da Fada é levar ainda mais felicidade aos habitantes. Mas esse cenário de alegria e satisfação muda completamente com a chegada de uma toupeira à floresta, um animal pessimista e incrédulo que gosta de apontar defeitos em tudo que está ao seu redor. Daí em diante o maior desafio da fada Felicidade é tentar reverter a situação.


Com mais de 90 livros publicados, a autora conta que a inspiração para escrever “Fada Felicidade” partiu de seus próprios pacientes (além de escritora, Paula é psicopedagoga e arteterapeuta). “Veio de crianças e adolescentes, dessa insatisfação geral, do sentimento de vazio. É uma geração extremamente ansiosa, que não curte o momento e está sempre preocupada com o depois. Quando estão expostos em uma situação social ficam mais preocupados com a foto perfeita para postar, nas curtidas que irão receber do que aproveitar o momento. Com a utilização do photoshop das redes sociais, as pessoas terminam tendo uma ideia distorcida da própria autoimagem. Fada Felicidade mostra que precisamos identificar nossas conquistas, aproveitar o momento e se gostar”. Para a autora, as toupeiras estão presentes na vida de todos, mas elas só agem com a nossa permissão. “Por isso, é importante a percepção do autoconhecimento, da autoestima bem trabalhada, porque senão elas serão vampirizadas. E é justamente aí que está o poder das histórias”.


Aliás, as histórias estão presentes na vida da escritora há muito tempo. Desde pequena Paula costumava escrever poesias e crônicas, mas foi em sua licença maternidade, há 25 anos, que o afeto pelas histórias infantis ganhou forma. “A literatura infantil sempre foi uma paixão, e nesse período eu comecei a ter ideias e até sonhava com algumas dessas histórias. Todas elas baseadas na minha vivência em sala de aula. Minha primeira coleção foi ilustrada pelo cartunista Glauco, então posso dizer que foi uma estreia super bacana”, avalia.


De lá pra cá, ela já acumula parcerias de sucesso, entre elas, com Mauricio de Souza. “Tenho muitos livros publicados com ele, comecei fazendo algumas adaptações de contos e na sequência fizemos uma coleção terapêutica. Desde então, compartilho o sonho de participar de sessões de autógrafos e entrevistas. Maurício é uma pessoa muito generosa”, destaca a autora que atualmente trabalha na supervisão psicopedagógica de um desenho animado do pai da Turma da Mônica.


Por acreditar no poder transformador e terapêutico da leitura, foi que o Pegaí chamou a atenção da escritora. Para ela, o futuro está no aprendizado e na busca do conhecimento, do trabalhar com a criatividade e a imaginação. “Eu fiquei encantada por esse projeto que disponibiliza leitura para tantas pessoas. E é por acreditar no poder da leitura que eu quero que todos tenham acesso a ela, independentemente de sua renda. A história tem essa coisa de fortalecer e dar segurança, porque nós sempre iremos nos transportar para a jornada do herói. É como se dissessem que também podemos superar nossos problemas e ultrapassar nossas dificuldades para alcançar o nosso tão almejado final feliz”.


Da Assessoria