• Redação

Professor da UEPG coordena pesquisa sobre livros didáticos

Denominado Glotrec, a iniciativa atua na digitalização de obras, construção de um banco de dados internacional, além de desenvolver ferramentas de pesquisa sobre temas específicos

Docente do Departamento de História, ele firmou um convênio com o Instituto Georg Eckert, da Alemanha. Foto: Divulgação

O amor pela pesquisa, ensino e por livros levou o professor Paulo Eduardo Dias de Mello a trabalhar para além das estruturas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Docente do Departamento de História, ele firmou um convênio com o Instituto Georg Eckert, da Alemanha, no qual desenvolve um projeto de estudos sobre livros didáticos. Denominado Glotrec, a iniciativa atua na digitalização de obras, construção de um banco de dados internacional, além de desenvolver ferramentas de pesquisa sobre temas específicos.


Reunião da Equipe do Projeto Glotrec-Brasil, em 2019

O projeto será realizado em etapas, de acordo com o professor. “A primeira etapa consiste num piloto da digitalização. Realizamos um levantamento preliminar das obras e elegemos cerca de 20”, explica. A equipe agora realiza a digitalização dos materiais, seguindo os critérios estabelecidos pelo instituto alemão. Todo o processo está sendo orientado e coordenado por ele e pelo professor Edson Armando Silva (UEPG), com apoio da Universidade de São Paulo (USP). “Continuamos o levantamento das obras didáticas para a segunda fase do projeto, que terá uma coletânea ampliada para a digitalização”, destaca Paulo. Os arquivos dos livros digitalizados serão enviados para a Alemanha.


Na UEPG

Paulo participa do Glotrec desde 2015, antes como integrante de um projeto da USP. “Recentemente, fui convidado a firmar a uma parceria diretamente com o Instituto Georg Eckert para contribuir de modo mais intenso”, ressalta. A nova parceria resultou na articulação de seu projeto específico, com recorte nas produções didáticas regionais, ligada ao Laboratório de Estudos sobre a Formação de Professores e Ensino de História da UEPG.


O professor explica que pretende desenvolver um banco de dados próprio, articulado ao Glotrec, que irá dispor as obras aos pesquisadores do Brasil e do mundo. A estação de trabalho de digitalização na UEPG terá um espaço no Centro Tecnológico de Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais – o Cetep Paulo Freire. A ideia é integrar o trabalho a uma biblioteca do livro didático regional (física) e um banco de dados (biblioteca digital).


Conhecimento

Paulo não esconde a alta expectativa pelos próximos passos. “Queremos contribuir, desde a UEPG, em um trabalho entre pesquisadores da Europa e América, para construção de um catálogo internacional de livros didáticos, que auxiliará pesquisadores ao redor do mundo”, comenta. Segundo ele, a ação permitirá que obras fiquem de fácil acesso a pesquisadores. “É importante localizar essas obras onde estejam, organizar acervos específicos que os preservem e investir na organização de bancos de dados digitais”, ressalta. O time para que o objetivo seja alcançado, segundo ele, é qualificado. Além dos professores Paulo e Edson, o projeto da UEPG conta com a participação de alunos do Departamento de História e dos professores Antonio Benatte, Silvio Rutz, André Vitor e Angela Ribeiro Ferreira. “Esperamos agregar mais pesquisadores interessados, além de contar com orientandos da pós e graduandos”, finaliza.


O trabalho do Glotrec pode ser acompanhado pelo link. Interessados em conhecer o Instituto Georg Eckert podem acessar aqui.


Da Assessoria