• Redação

Ponta Grossa é sede de Encontro Regional de Taiko

A apresentação é gratuita para o público e tem início a partir das 13h30

Ponta Grossa é sede deEncontro Regional de Taiko. Foto: Divulgação


A arte milenar japonesa do taiko irá encantar os ponta-grossenses no próximo sábado (15). A cidade recebe a segunda edição no ano de 2022 dos Encontros Regionais de Taiko, no Complexo Sassaki Eventos. A apresentação é gratuita para o público e tem início a partir das 13h30. O primeiro encontro ocorreu em Castro (PR), no mês de agosto.


De acordo com Fernando Shigueo, coordenador do Grupo Fuurinkazan Taiko de Ponta Grossa e responsável pelo projeto, o encontro de Ponta Grossa será prestigiado por representantes da Associação Brasileira de Taiko, da Câmara do Comércio e Indústria Brasil Japão do Paraná e do Consulado do Japão, além de contar com a presença de autoridades japonesas, representando o governo da província de Hyōgo.


O evento foi aprovado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e é uma iniciativa do grupo Fuurinkazan Taiko, com direção de Fernando Shigueo Horie e direção de produção da ABC Projetos Culturais. O projeto conta com patrocínio da Copel, Supermercados Tozetto, Zero Resíduos e Ponta Grossa Ambiental.


A segunda edição reúne treze grupos, vindos de diversas cidades do Paraná e de Santa Catarina, totalizando mais de 180 tocadores de taiko. O objetivo do evento é manter viva a cultura japonesa e dar continuidade a uma das principais tradições nipônicas que se consolidaram no Brasil ao longo dos anos.


A programação do Encontro Regional de Taiko de Ponta Grossa conta com mostras individuais dos grupos convidados, além de uma apresentação de encerramento conjunta, reunindo todos tocadores de taiko presentes. No domingo (16), ocorre o treino exclusivo para os grupos de Taiko inscritos no encontro, em que os tocadores compartilham técnicas e conhecimentos para aprimoramento de práticas e aprendizados sobre a tradição dos tambores.


Para Rafael Itiro Horie, praticante de taiko e integrante do Grupo Fuurinkazan Taiko de Ponta Grossa, os encontros são uma oportunidade de aprender uma prática milenar que valoriza aspectos sociais da cultura japonesa. “O objetivo dos encontros é não somente aprender a tocar o taiko, mas aprender com ele características da cultura japonesa, como disciplina, foco, trabalho em equipe e respeito”, explica.


Itiro ainda destaca que os encontros são uma forma de perpetuar a prática do taiko para as próximas gerações. “Nos encontros, os grupos novos aprimoram seus conhecimentos com os mais experientes, e os grupos antigos, com mais de vinte anos de história, aprendem maneiras de ensinar para crianças, idosos e demais interessados sobre a arte do taiko, fazendo com que a cultura japonesa continue viva”, diz.


O Taiko

A tradição dos tambores é uma arte característica da sociedade japonesa e, ao longo dos anos, tem sido ensinada de geração a geração. O taiko é um instrumento de percussão tradicional do Japão com milhares de anos.


Durante a história, taikos foram utilizados com diversas finalidades: como meio de comunicação; para marcar tempo; na guerra para motivar tropas e amedrontar inimigos; na religião; em festivais e no teatro, para criar sonoplastias. É importante ressaltar que a apresentação de taiko era feita com poucas pessoas. Somente após a 2ª Guerra Mundial foi criado o sistema múltiplo, com várias pessoas tocando os instrumentos – como é tocado atualmente.


No Brasil, muitos descendentes de japoneses se reúnem em associações e grupos com o intuito de preservar a cultura oriental. Um exemplo são os mais de 100 grupos de taiko existentes no país. Somente no Paraná, são cerca de 15 grupos de taiko ativos, totalizando cerca de 200 tocadores.


Da Assessoria