• Redação

Orquestra Sinfônica do PR leva “Clássicos Sertanejos”

Na programação estão “No Rancho Fundo”, de Chitãozinho e Xororó, “Bicho do Paraná”, de João Lopes, “É o Amor”, de Zezé Di Camargo, “Luar do Sertão”, de Catulo da Paixão Cearense, e “Amanheceu Peguei a Viola”, de Renato Teixeira

Orquestra Sinfônica do Paraná leva “Clássicos Sertanejos” ao vão livre do MON neste domingo. Foto: Kraw Penas/SECC

Aos 37 anos, a Orquestra Sinfônica do Paraná amplia sua capacidade de encantar plateias, do erudito ao popular, passando pela música antiga e contemporânea. Com o concerto “Clássicos Sertanejos”, o corpo musical do Centro Cultural Teatro Guaíra viajou em maio pelo Paraná (Guarapuava, Cascavel, Londrina e Maringá) para apresentar versões orquestradas de músicas populares que tocam o coração dos paranaenses.


Para trazer ainda mais sintonia com o público, a apresentação final, gratuita e realizada ao ar livre, acontece neste domingo, 5 de junho, no vão livre do Museu Oscar Niemeyer, às 11h, em Curitiba.


Na programação estão “No Rancho Fundo”, de Chitãozinho e Xororó, “Bicho do Paraná”, de João Lopes, “É o Amor”, de Zezé Di Camargo, “Luar do Sertão”, de Catulo da Paixão Cearense, e “Amanheceu Peguei a Viola”, de Renato Teixeira. São 50 minutos de espetáculo.

“Entendo uma orquestra como organismo vivo, pulsante e flexível. Por mais que tenha quase a totalidade de sua temporada dedicada aos clássicos, o conjunto pode - e deve - se envolver musicalmente com a sociedade à sua volta”, avalia Carlos Prazeres, maestro convidado dessa empreitada e que rege a Orquestra Sinfônica da Bahia desde 2011.


“Ao executar a música sertaneja, estamos fazendo essa troca. O público que ali está, passa a ter uma nova imagem da orquestra, se dispondo a conhecê-la em seu habitat natural, onde reinam de Bach a Villa-Lobos. Trocar, jamais ‘civilizar’, este é o mote. E, como diria Milton Nascimento, temos que ir aonde o povo está”, afirma.


Esse projeto é realizado por meio da Lei de Incentivo à Cultura, com apoio da Sanepar, Prefeitura Municipal de Guarapuava, Prefeitura Municipal de Cascavel, Prefeitura Municipal de Londrina e Prefeitura Municipal de Maringá, com o patrocínio da Copel e com realização da Associação Brasileira de Apoiadores Beneméritos do Teatro Guaíra, Palco Paraná, Centro Cultural Teatro Guaíra, Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura e governo federal.


OSP

Desde 28 de maio de 1985, a Orquestra Sinfônica do Paraná escreve uma história de dedicação à música. Já passaram no corpo artístico os maestros Alceo Bocchino, Osvaldo Colarusso, Roberto, Jamil Maluf, Alessandro Sangiorgi, Osvaldo Ferreira e Stefan Geiger, além de mais de 40 maestros convidados e cerca de 200 solistas. Tem um acervo de 900 obras catalogadas.


São mais de 250 compositores destacando os autores brasileiros Villa-Lobos e Camargo Guarnieri, e os paranaenses Henrique Morozowicz e Augusto Stresser. No currículo da OSP já constam mais de 500 apresentações dentro e fora do Paraná, com montagens de importantes óperas, balés, audições mundiais, sul-americanas e brasileiras.


Serviço:

"Clássicos Sertanejos"

Data: 5 de junho, domingo

Horário: 11 horas

Local: Museu Oscar Niemeyer - R. Mal. Hermes, 999 - Centro Cívico, Curitiba

Entrada franca

Confira a programação completa em: https://www.teatroguaira.pr.gov.br/Orquestra/Pagina/Temporada-2022


Programa do Concerto:

BRAHMS, Johannes

"Dança Húngara nº 5"

Chitãozinho e Xororó

"No Rancho Fundo"

João Lopes

"Bicho do Paraná"

Zezé Di Camargo

"É o Amor"

Catulo da Paixão Cearense

"Luar do Sertão"

Renato Teixeira

"Amanheceu Peguei a Viola"

Lourival dos Santos

"Rio de Piracicaba"

Renato Teixeira

"Romaria"

Marília Mendonça

"Infiel"

Di Paullo e Paulino

"Estrelinha"

José Augusto e Paulo Sérgio Valle

"Evidências"

Maiara, Frederico Nunes e Gabriel Agra

"Lágrimas"


Por AEN