top of page
  • Foto do escritorRedação

Oficina de grafitti reduz evasão e fortalece cultura indígena no Paraná

Após início da atividade, frequência escolar chegou a 95% nos últimos quatro meses de 2022

Oficina de grafitti reduz evasão e fortalece cultura indígena em escola no Oeste do Paraná. Foto: SEED


Desenvolver habilidades, estimular a criatividade e promover a fusão da cultura urbana e indígena por meio da livre expressão. Para isso, bastam latinhas de spray colorido e um espaço para criar. Assim funciona a oficina de grafitti Acordar, projeto do Colégio Estadual Indígena Kuaa M'boe, do município de Diamante do Oeste. Além de promover atividades artísticas, a oficina tem contribuído para a melhora da saúde mental dos alunos e também para a redução do abandono escolar na instituição.


Composto por maioria de alunos de origem indígena e moradores da aldeia Tekoha Añetete, situada a 12 quilômetros do centro de Diamante do Oeste, o Colégio Estadual Kuaa M'boe possui 12 turmas e 113 alunos matriculados.


Segundo o diretor da escola, Jairo Bortolini, desde que a oficina começou, o índice de evasão escolar no colégio diminuiu significativamente, resultando na frequência de 95% nos últimos quatro meses de 2022. “O grafitti se revelou uma ferramenta que não apenas fortalece os alunos social e culturalmente, mas também se alia à educação, contribuindo para aumentar o engajamento nas demais atividades escolares”, afirma.


O projeto-piloto teve início em setembro de 2022, oferecendo aos alunos aulas gratuitas de grafitti como atividade complementar às realizadas em sala de aula. Ministradas por profissionais do grafitti, as aulas são abertas a alunos de 10 a 17 anos matriculados na instituição.


Mauricio dos Santos, um dos professores da oficina, explica que as aulas acontecem em um espaço situado na área externa da escola, separado especialmente para a atividade. “O foco do projeto é estimular o potencial artístico dos estudantes, permitindo que explorem livremente a arte do grafitti e expressem seus pensamentos e emoções por intermédio da arte”, afirma.


Para Larissa Takua, aluna do ensino médio, a atividade complementar funciona como condutora para o interesse pelas demais disciplinas. “Gosto muito de estudar, mas depois que comecei a aprender grafitti, passei a me interessar muito mais pelas outras disciplinas. Principalmente pelas que ensinam sobre arte, como História”, diz.


Já para Maik Gabriel Chamorro, também aluno do ensino médio, a oficina serve como oportunidade para aliviar as tensões psicológicas e desabafar com os colegas. “Cada um pega sua lata e começamos a desenhar. Quando a gente percebe, já está falando da vida. Falamos, mas também ouvimos bastante. É aí que repensamos muitas coisas e não nos sentimos tão sozinhos”, explica.


Realizadas normalmente uma vez ao mês, às quintas-feiras, as oficinas consistem em aulas de desenho e pintura em papel sulfite, passando em seguida a serem aplicadas nas próprias paredes da escola. De início, o projeto foi concebido pelo Conselho de Pais e Mestres da escola e, logo, passou a contar com o apoio do município de Diamante do Oeste por meio da Secretaria de Assistência Social da prefeitura.


Proporcionando o acesso à arte e cultura, a oficina é bem recebida entre familiares e chefes da aldeia. “O papel de atividades como esta, dentro da comunidade, fica bastante claro a partir do momento em que os alunos apresentam melhor desempenho nos estudos do dia a dia e alcançam melhores notas. O graffiti anima os alunos para estudar”, reforça João Joetavy Miri Alves, cacique da Tekoha Añetete.


Explorar Potenciais

Para a psicopedagoga clínica e institucional Emanuella Tulio, atividades que estimulam o processo criativo e permitem aos estudantes explorar de forma livre seus potenciais contribuem para o desenvolvimento de talentos, por vezes ocultos no campo do aprendizado. “Ao se envolverem com atividades artísticas, os estudantes têm a oportunidade de mergulhar nas suas aptidões criativas por meio da mediação de um professor. Esses projetos têm o potencial de motivar a aprendizagem a partir do despertar do talento artístico”, diz.


Ainda segundo a psicopedagoga, a arte é um importante meio de comunicação que permite alcançar diferentes aspectos do desenvolvimento humano. Ao envolver-se em processos criativos, como explica, o aluno se envolve também na aprendizagem de outras áreas, quando a busca pela história e pela compreensão de acontecimentos se tornam novas áreas de interesse.


“A aprendizagem é um movimento entre o que sou, como me enxergo e o que posso me tornar. A arte estimula a autoestima, desenvolve a capacidade de representar o mundo simbolicamente, de analisar, avaliar e interpretar, além de aprimorar as habilidades cognitivas em outras disciplinas escolares. Afinal, a arte nada mais é do que um resultado de comunicação. É este poder que motiva os estudantes”, finaliza.


Artes na Matriz da Rede Estadual

Composta por temáticas como Artes Visuais, Música, Teatro e Dança, a matriz curricular da disciplina de artes da rede estadual de ensino é aplicada nas turmas do 6° ao 9° ano (anos finais do ensino fundamental) e engloba também o ensino médio. A cada ano, múltiplos conteúdos ligados aos conhecimentos teóricos e técnicos são ministrados, oferecendo uma abordagem sistêmica da presença, história e papéis artísticos no contexto educacional e social.


O objetivo do ensino da arte na educação do Paraná é propiciar o desenvolvimento das capacidades criativa, reflexiva e crítica, do aprendizado estético, social e emocional. Os estudantes são expostos às técnicas das diferentes linguagens artísticas, conhecimento da história da arte e também os diferentes momentos políticos e sociais em que está inserida. Isso possibilita o exercício da criatividade e descoberta das inúmeras maneiras de representar e expressar sentimentos.


Por AEN

Comments


bottom of page