top of page
  • Foto do escritorRedação

O lixão

Confira a Crônica da semana da Academia de Letras dos Campos Gerais: "O lixão"


Ali naquele pequeno recanto rural, situado na urbe de Imbituva, denominado de Jararaca, vivi parte da infância e da adolescência. Eu e outros três irmãos revirávamos as florestas locais, encontrando cachoeiras, cavernas e locais de mata semi-virgem. Era sempre uma aventura, uma afirmativa da vida, um ato corajoso diante do desconhecido.


Mas, algo que nos chamou bastante atenção foi a descoberta de um lugar peculiar que, aos olhos da comunidade local, era um amontoado de restos e entulhos, que atraía todo tipo de urubu, de ratos e de homens-gabirus. Porém, para nós – os quatro irmãos – era um verdadeiro tesouro: o lixão.


Esse local ficava distante de onde morávamos. Em verdade, ficava em outra comunidade, denominada de Cachoeirinha. E este lugar, tornou-se para nós um lugar de possibilidades e descobertas. Era ali que encontrávamos livros, revistas, materiais escolares e, claro, brinquedos. Os bonequinhos Power Rangers, com suas cores vibrantes e superpoderes, eram os nossos favoritos.


Mas esses brinquedos não eram como aqueles das crianças abastadas. Aliás, eram brinquedos quebrados, esquecidos e descartados. Mas, para nós, cada pecinha tinha valor inestimável e, com paciência e habilidade, fazíamos nossas gambiarras.


Na verdade, era um desafio criativo para nós. De três ou quatro brinquedos que encontrávamos, criávamos um só. Assim, nosso Power Ranger ficava com um braço verde e outro azul, a cabeça rosa e o corpo vermelho. Era um brinquedo autêntico e genuíno, que tínhamos orgulho em mostrar para nossos amigos.


E assim, à semelhança das plantas que teimam a nascer e florescer em meio ao lixão, nós também desafiamos a escassez de recursos e, somado a um punhado de sorte e outro tanto de vontade, conseguimos fazer emergir humanidade em meio aos escombros da sociedade.


Texto de autoria de Jeferson do Nascimento Machado, professor da rede pública, historiador, residente em São João do Triunfo, escrito no âmbito do projeto Crônicas dos Campos Gerais da Academia de Letras dos Campos Gerais

Comments


bottom of page