top of page
  • Foto do escritorRedação

MON lança livro histórico de 400 páginas sobre sua coleção permanente

A publicação, em capa dura, tem 400 páginas e conta com textos autorais e centenas de imagens que retratam os destaques deste acervo que, nos últimos anos, quintuplicou de tamanho, chegando atualmente a 14 mil obras

Museu Oscar Niemeyer lança livro histórico de 400 páginas sobre sua coleção permanente. Foto: Marcello Kawase


O Museu Oscar Niemeyer (MON) lança no dia 22 (quarta-feira) um livro histórico, com um recorte da coleção permanente de obras de arte da instituição, chamado "Museu Oscar Niemeyer - coleção permanente". O lançamento será na Livraria da Vila (Shopping Pátio Batel), em Curitiba, a partir das 18h. Haverá um bate-papo com a secretária estadual da Cultura, Luciana Casagrande Pereira, com a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika, e com o curador Marc Pottier, integrante do Núcleo Curatorial do MON.


A publicação, em capa dura, tem 400 páginas e conta com textos autorais e centenas de imagens que retratam os destaques deste acervo que, nos últimos anos, quintuplicou de tamanho, chegando atualmente a 14 mil obras.


“Registros como este são muito importantes para a memória, não apenas da instituição em si, mas da trajetória do acervo e dos movimentos artísticos que foram incorporados ao longo dos anos no museu”, afirma Luciana Casagrande Pereira.


“Mais do que um simples aumento quantitativo do acervo, o museu alterou e expandiu o marco referencial, demonstrando amadurecimento como instituição museológica”, completa Juliana Vosnika. “A missão do MON é colecionar e expor, proporcionando experiências transformadoras e diálogos entre público e arte. O acervo é a alma do museu e a ampliação e consolidação do mesmo é um dos focos principais de nosso trabalho”.


Além das áreas de artes visuais, arquitetura e design, com ênfase em arte paranaense e brasileira, o MON ampliou sua vocação e hoje também se dedica à formação de acervo de arte africana contemporânea, latino-americana e asiática.


O livro, publicado pela Editora BEI, enfoca todas essas áreas, destacando cerca de 500 obras. Também há textos assinados pelos curadores, que selecionaram obras que representam a amplitude do acervo.


São eles o artista paranaense Fernando Velloso, que traz uma abordagem histórica da formação do acervo do MON; o curador Marc Pottier, que discorre sobre arte contemporânea e o acervo de design; os curadores das coleções asiática e africana, Fausto Godoy e Renato Araújo, respectivamente; e o arquiteto Fabio Domingos Batista, representantes do Núcleo Curatorial do Museu, além de outras personalidades que assinam textos autorais.


Trajetória

O acervo do MON teve início com a junção de três coleções: NovoMuseu (que foi o primeiro nome do MON), Museu de Arte do Paraná (MAP) e coleção Banestado. No legado da união dessas três coleções, destacam-se nomes de importantes artistas como Miguel Bakun, Helena Wong, Alfredo Andersen, Maria Amélia D'Assumpção, Arthur Nisio, Leonor Botteri, João Turin, Poty Lazzarotto, Bruno Giorgio, Sérvulo Esmeraldo e Emanoel Araújo.


Com a produção de artistas representativos no âmbito nacional e internacional, o acervo foi se diversificando. “Após o processo de pesquisa e reflexão para discutir a orientação e a identidade que o acervo do MON deveria objetivar, além da prioridade de colecionar arte paranaense e brasileira, passou a expandir seu olhar não eurocêntrico para a arte latino-americana, asiática e africana”, explica Juliana.


A coleção de obras de arte asiática foi doada pelo diplomata Fausto Godoy e colocou o MON em posição de destaque nacional. Disputada por outras instituições do Brasil e por colecionadores do Exterior, é composta por aproximadamente 3 mil obras de arte.


Dando continuidade ao processo de consolidação de seu marco referencial, o MON iniciou uma negociação para viabilizar a vinda para o museu de uma grande coleção de arte africana. Assim como aconteceu com a primeira grande doação, em 2021 as negociações foram concluídas e o MON foi mais uma vez escolhido por suas condições técnicas, capacidade de gestão e credibilidade, recebendo cerca de 1.700 obras de uma das mais importantes e significativas coleções de objetos de arte africana do século XX, doação da Coleção Ivani e Jorge Yunes (CIJY).


Em março de 2022, o MON concluiu, também, mais um complexo processo de negociações para receber sua maior doação até então: aproximadamente 4,5 mil obras assinadas pelo artista paranaense Poty Lazzarotto (1924–1998). A doação foi feita pelo irmão do artista, João Lazzarotto. São mais de 3 mil desenhos e 366 gravuras, além de tapeçarias, entalhes, serigrafias e esculturas, entre outros.


Outra maneira de incrementar o acervo foi a criação do projeto Sou Patrono, um movimento pioneiro no apoio e valorização da cultura e da arte no Paraná. Por meio dele, pessoas engajadas e comprometidas com a arte contribuem com a aquisição de obras, a partir de uma seleção realizada pela diretoria executiva e pelos Conselhos do Museu. Como contrapartida, o doador tem benefícios, além de deixar seu nome gravado na história da instituição.


Sobre o MON

O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Cultura. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil obras de arte, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.


Serviço:

Data: 22 de março, quarta-feira

Horário: 18h

Local: Livraria da Vila (Shopping Pátio Batel, Curitiba-PR).

Preço: R$ 200,00


Por AEN

Comentarios


bottom of page