top of page
  • Foto do escritorRedação

Maria-fumaça do Guaragi

Confira a Crônica da semana da Academia de Letras dos Campos Gerais: "Maria-fumaça do Guaragi"



O vapor das revoluções, o vapor das indústrias, é também o vapor que locomoveu e transportou as pessoas nos dois séculos passados. A termodinâmica envolvida trouxe, também, os imigrantes a essas terras quase esquecidas.


A Maria protagonizou histórias que não caberiam em mil livros. Em suas fumaças, deixava retornar à atmosfera a molécula essencial da vida. Mas não só! Também evaporavam os momentos ali dentro vividos. A magia do trem – vibração, imponente barulho, cheiro característico, espera, maquinista.


Para além da quase mágica experiência em trilhar um caminho, literalmente; as marcas das memórias de um sábado em 1965 permeiam as conexões neurais dos envolvidos. Guaragi, dos colonos alemães, poloneses e russos, também era Guaragi dos peixes.


Os dentes da locomotiva rastejavam rente aos trilhos, vorazmente aproximando-se dos Campos Gerais. Assim, os três filhos de imigrantes poloneses e um menino de sete anos partiram na Maria rumo a Guaragi. Carregavam a vara de pescar e um lanche modesto.

Dia findo, os peixes esquivaram-se todos. Como diria a música do Tremendão, também de 1965, “não quiseram cooperar”.


Na volta da Maria, os três irmãos jogaram-se no vagão. A locomotiva aumentava a velocidade, as rodas giravam cada vez mais rapidamente. A fumaça era cada vez mais exalada e riam os três sentados no vagão. Mas algo faltava.


O menino. Correndo contra os últimos raios solares na beira dos trilhos. Seu pai mordia um pedaço de palha e olhava o céu, dentro do vagão. Quando superando os altos sons do trem, um grito de seu irmão o retirou da meditação contemplativa.


“Olha lá o Carlinhos!”, gritou um dos tios. O menino corria de cabelos esvoaçantes, como se sua vida dependesse das suas pernas largas e finas.


“Carlinhooooooos”.


E as mãos em atos desesperados, desses gestos que as chacoalham em detrimento da angústia, buscavam alcançar o leve e raquítico menino. Antes de um obstáculo impedir que alcançassem o menino, agarraram-no.


Após alguns instantes, evaporado o suor, recobrado o fôlego e em tom de calmaria, o pai sussurra ao menino em tom ameaçador: “Não conte NUNCA para a sua mãe!”.


Feito vapor, o segredo esvaiu-se pela atmosfera.


Texto de autoria de Aline Sviatowski, estudante, Ponta Grossa, escrito no âmbito do projeto Crônicas dos Campos Gerais da Academia de Letras dos Campos Gerais



Comments


bottom of page