top of page
  • Foto do escritorRedação

Grupo da UEPG ganha prêmio da Petrobras por desenvolvimento de patente

A pesquisa desenvolveu uma aplicação prática para resíduos de xisto, que virou patente concedida pela estatal

Grupo da UEPG ganha prêmio da Petrobras por desenvolvimento de patente. Foto: Jéssica Natal

O Grupo de Pesquisa em Materiais Funcionais e Estruturais, ligado ao Departamento de Química da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Dequim-UEPG), recebeu o ‘Prêmio Inventor’ da Petrobras, pela pesquisa desenvolvida em projeto de Mestrado. A premiação chegou nas mãos dos professores nesta terça-feira (28). A pesquisa desenvolveu uma aplicação prática para resíduos de xisto, que virou patente concedida pela estatal.


Decorrente do projeto sob título ‘Processo para extração do agente pigmentante do calcinado xisto retortado, processos para pigmentação em polímeros e em esmaltação cerâmica’, do mestrando Rafael Andrade, a pesquisa busca dar fim aplicável ao óleo retirado do xisto e utiliza na colorização de polímeros e azulejos. O xisto então volta para a natureza sem o material que é considerado poluente. “Foram inúmeros ensaios e planejamento para a efetiva conclusão da pesquisa, o que demandou alguns anos de exaustivo empenho e devoção. Apesar disso, a orientação e dedicação dos professores do Programa foram um diferencial para a conquista do prêmio”, destaca Rafael.


O premiado atua na Petrobras e é aluno egresso do Programa de Pós-Graduação em Química, orientado pelo professor Éder Carlos Ferreira de Souza. A pesquisa, porém, foi desenvolvida com colaboração de todo o Grupo de Pesquisa. “O projeto foi uma parceria com a Petrobras, em especial a Petrosix de São Mateus do Sul e a ideia sempre foi agregar valor ao óleo retirado do xisto. Esse reconhecimento mostra a importância que é a academia trabalhar em colaboração com empresas e indústrias”, salienta Éder.


O prêmio foi divulgado no final de 2021, mas devido à Pandemia da Covid-19 os professores puderam receber o troféu e certificado nesta semana. “É a primeira vez que ganhamos um prêmio da Petrobras, o que é muito gratificante, pois foi pelo trabalho de um Grupo que já existe há 28 anos e esse Prêmio tem uma importância por ser uma patente desenvolvida junto a uma empresa”, comemora a professora Sandra Masetto Antunes.


Desde desde o início das atividades, o Grupo pesquisa a aplicação de resíduos para reduzir o impacto ambiental, para dar outros fins a rejeitos contaminantes ao meio ambiente, como sobras de vidros e pilhas. “Para nós, foi uma surpresa quando recebemos os e-mails dizendo que o Grupo havia sido premiado e não falamos sobre esse prêmio para ninguém, pois ainda não tínhamos o certificado. Foi de muita ansiedade segurar essa novidade por tanto tempo”, descreve o professor André Vitor Chaves de Andrade.


Com o mestrado defendido e aprovado, Rafael atua na Petrobras de São Mateus do Sul com uma pesquisa que virou patente no currículo. “Reitero o excelente profissionalismo e dedicação dos professores do Programa sem os quais a conclusão da pesquisa e consequente conquista do prêmio seriam impossíveis. A eles dedico essa conquista”, finaliza Rafael.


Atualmente, o Grupo conta com atuação dos docentes André Vitor Chaves de Andrade; Christiane Ferreira Borges; Éder Carlos Ferreira de Souza; Jaqueline Aparecida Marques; Maria Elena Payret Arrua; Sandra Regina Masetto Antunes; e Suellen Aparecida Alves. Alunos da graduação, pós-graduação e de outros cursos e projetos da UEPG também colaboram com o desenvolvimento das pesquisas.


Da Assessoria

Comments


bottom of page