• Redação

Estudantes de PG são premiados em Concurso Estadual

Projeto foi uma produção de material audiovisual sobre drogas desenvolvido pelos alunos do Colégio Senador Correia





A quinta edição do Concurso Estadual de Produção de Material Audiovisual Sobre Drogas, que aconteceu no dia 1º de maio, durante a abertura da Primeira Conferência Estadual de Políticas Sobre Drogas, em Curitiba, premiou cinco estudantes do Colégio Senador Correia, de Ponta Grossa. O trabalho realizado por eles é um vídeo que apresenta dados sobre uso de entorpecentes, bem como a ligação das substâncias com a criminalidade e escolhas que podem ser feitas na juventude.


Coordenado pela professora de História Paola Clarinda Oniesko Bail, a obra, que teve início em novembro de 2021, está sendo exibida em todas as salas de cinema do Paraná neste mês de junho. O certame atende a Lei Estadual nº. 19.068, de 05 de Julho de 2017, que impõe às empresas de cinema a divulgação de informes publicitários de esclarecimentos sobre os malefícios do consumo de drogas ilícitas para toda a sociedade.


De acordo com Paola, a produção foi consequência das oficinas feitas sobre prevenção ao uso de drogas. “Eles fizeram pesquisa e diversos encontros. Trabalhamos sobre a importância dos dados na coleta de informações. Fizeram oficina de fotografia, roteiro, produção de texto e fotografia”, conta. O prêmio, além do reconhecimento em âmbito estadual, vem ainda no aprendizado, já que eles se utilizaram da criatividade na adequação da linguagem para o público-alvo a ser atingido.


Clube dos Cinco

O início do projeto, porém, não foi fácil, conforme conta a coordenadora: “Quando passei nas salas perguntando quem queria participar, foram no total 5 grupos que manifestaram interesse, mas apenas um continuou até o final”. A equipe que levou o projeto até o fim foi composta por Alexandre Aurélio Barbosa, Mainara Cristina Schroeder, Nicolly Emanuely Veiga dos Santos, Russel Aslan e Vitor Henrique Schastalo.


Mainara, de 16 anos e integrante do 3º ano do Ensino Médio, conta que já tinha um pouco de experiência com o audiovisual, já que possui fotógrafos na família e trabalhou em outros vídeos para o colégio. Sobre o processo de produção, ela lembra que “foi longo e muito detalhista, tivemos que nos atentar a todos os mínimos detalhes para que nada passasse aos nossos olhos”. Ela conta ainda que pretende se formar em Jornalismo e seguir carreira no setor do audiovisual.


Já Vitor, de 17 anos, destaca como funcionou o trabalho operacional. “Houve divisão de tarefas, quem tirava fotos, quem editava, quem planejava, o produtor do texto e a parte burocrática. Foi divertido, diversificado e também bem trabalhoso”, relembra.


Prêmio

Em parceria com a Receita Federal, os adolescentes foram presenteados com videogames, tablets e outros presentes. Após ter o trabalho reconhecido, Mainara aproveitou para falar sobre o aprendizado que a obra trouxe. “Descobrimos muita coisa que não sabíamos. Recebemos um conhecimento muito grande e fizemos até entrevistas para entender como é a vida de uma pessoa dependente de drogas. No curta, mostramos que a droga causa um colapso na vida da pessoa, é um alerta”, disse à Agência Estadual de Notícias (AEN). Vitor destaca ainda que receber o prêmio “é uma gratidão imensa, dar reconhecimento ao nosso colégio do coração”.


Reconhecimento interno

A diretora do Colégio Senador Correia, Alcileia Jaqueline Félix da Silva, destacou o feito. “Estamos muito felizes com o resultado do concurso. Nossos estudantes e a professora Paola fizeram um trabalho de excelência. O aprendizado adquirido no desenvolvimento deste projeto fará parte da vida de cada um dos estudantes que participaram produzindo este material. A voz deles chegará em lugares que eles nem imaginam e sensibilizará muitos adolescentes”, afirma.


O sentimento é compartilhado por Paola, que afirma que “é sempre ótimo ver nosso trabalho reconhecido”, mas relembra as dificuldades. “O que mais me emocionou foi ver nossos alunos da escola pública sendo reconhecidos. Mesmo com todas as dificuldades, falta de estrutura e dinheiro. Os alunos se empenharam com o que tinham, muitas vezes editando do celular, emprestando câmera e fizeram um trabalho de excelência. Imagina se eles tivessem uma estrutura melhor de programas e computadores. E o processo, a transformação desses alunos em pesquisadores, atores, produtores foi lindo de acompanhar, além da importância do tema. Trabalhar com a prevenção ao uso de drogas na linguagem deles é essencial para evitar o aumento da drogadição, que está diretamente vinculada à criminalidade. Portanto, a participação nesse concurso proporcionou a esses alunos acima de tudo a aquisição de conhecimento. E reconhecimento de que, independente dos problemas pelos quais estejam passando, a escolha pelas drogas pode ter consequências irreversíveis”.


Confira abaixo o vídeo produzido pelos estudantes:


Por D'PontaNews