top of page
  • Redação

Distribuição de direitos autorais cresce 27% no primeiro semestre

Relatório do Ecad divulga resultados dos seis primeiros meses do ano no setor musical

Distribuição de direitos autorais cresce 27% no primeiro semestre. Foto: Reprodução


No primeiro semestre de 2022, os resultados do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) mostram um crescimento de 27% na distribuição de direitos autorais de execução pública destinada a titulares de música, em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a junho foram distribuídos R$ 509 milhões a 210 mil autores, intérpretes, músicos, editoras e produtores fonográficos, além das associações de música. Em 2021, no mesmo período, foram distribuídos R$ 399 milhões em direitos autorais a 185 mil titulares. O valor arrecadado do segmento shows este ano, por exemplo, já está equiparado ao primeiro semestre de 2019, antes da pandemia do coronavírus.


Instituição privada e sem fins lucrativos responsável por arrecadar e distribuir direitos autorais de execução pública no Brasil, o Ecad passa por uma transformação digital completa, que busca integrar as cinco áreas estruturais da entidade - Administrativo/Financeiro, Arrecadação, Distribuição, Gestão de Pessoas e Relacionamento e Tecnologia da Informação. O projeto, que está sendo implementado em etapas, acompanha as mudanças na forma de consumo de música e visa tornar o Ecad uma das principais referências mundiais no seu setor de atuação. Algumas das soluções já entregues e outras em desenvolvimento merecem destaque entre as principais realizações do 1º semestre de 2022.


Os investimentos na digitalização da operação têm promovido a integração de seus sistemas e informações e agilizado a modernização da plataforma de relacionamento com usuário. O Ecad também está desenvolvendo uma plataforma de identificação musical que buscará agilizar o reconhecimento das músicas de diferentes segmentos, além da criação de um novo algoritmo que tem como objetivo a identificação de execuções que são tocadas ao vivo.


"Quando assumi a superintendência no fim de 2019, começamos a desenvolver sistemas específicos para cada área e hoje eu percebo que toda a instituição está mais integrada e isso vem promovendo uma evolução no trabalho que realizamos em todo o país. Nosso objetivo é transformar o Ecad em uma entidade cada vez mais digital e orientada a dados", avalia Isabel Amorim, superintendente executiva do Ecad.


Gente e gestão

Os resultados do 1º semestre reforçam outras atividades desenvolvidas pelo Ecad, como a implantação de uma cultura organizacional e a atuação das diferentes áreas da instituição no trabalho do dia a dia e na comunicação dirigida aos usuários de música. Com a pandemia, o trabalho híbrido foi adotado de forma permanente. Também foram feitos investimento em cybersegurança, monitoramento e modernização de processos com apoio das áreas de Auditoria, Compliance e do Comitê de Ética, além de contenção de gastos, como a utilização de coworking em unidades regionais.


Da Assessoria

bottom of page